“Garçom dos ares”

Hoje, 31 de maio, é o Dia Internacional do Comissário de Voo”. Eu, particularmente, não curto muito esse excesso de efemérides. Sou do tempo que só existia Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia dos Namorados, Dia da Árvore e Dia do Índio. Mas as efemérides estão aí e esse é o meu primeiro Dia do Comissário de Voo. Gostaria de compartilhar com vocês algumas palavras.

Comissária
Foto de George Parrilla

Durante os quatro meses que fiz o curso, ouvi várias piadas de que Comissário de Voo é profissão de mulher, profissão de gay, que somos garçons do céu. Eram piadas, mas elas carregam uma mentalidade que ainda é bem reforçada por aí. O que estou comentando aqui não é com a menor raiva. Estou escrevendo tranquilo, com orgulho da profissão e um sorriso no rosto.

Primeiro, sou homem, hétero (quero aproveitar o espaço pra mandar um beijo pra namorada) e Comissário de Voo. Afirmo a vocês, a profissão não é restrita a um sexo ou a uma orientação sexual. Ela é voltada para quem, além da paixão pela aviação e por viagens, tem amor a se dedicar a ajudar outras pessoas, sacrificando momentos preciosos que você passaria com família, amigos, e namorada(o).

Sobre ser “garçom do ar”. Antes de tudo, não estou desmerecendo aqui a profissão dos garçons. Ela tem seu valor como qualquer outra profissão, desde aquela que não exige escolaridade nenhuma até aquela que exige pós-megaboga-doutorado.

Como falei lá em cima, foram quatro meses de curso. Aprendi sim a servir Coca-Cola, suco, bolinho e barra de cereal. Mas foi apenas em uma aula.

Nas outras aulas, aprendi a identificar nuvens, a ver se o voo vai ser turbulento ou não só olhando o céu. Aprendi a fazer ressuscitação cardiopulmonar, fazer parto. Aprendi a desengasgar crianças e adultos, estancar hemorragias, cuidar de membros fraturados e amputados. Aprendi a acalmar crianças improvisando chocalhos, tranquilizar pessoas e a estimulá-las quando estavam desanimadas, a ponto de se entregarem.

Aprendi a sobreviver no gelo, deserto, floresta e alto mar. Aprendi a construir abrigos, preparar armadilhas, pescar, inflar boia e usar pedaços de metal e lona para fazer as mais diversas atividades. É, comissário de bordo é um pouco MacGyver. Aprendi a identificar a causa de um incêndio, usar o extintor certo para apagá-lo, mas se precisar, também sei acender fogueira.

Aprendi a salvar não só a minha vida numa eventual emergência, mas também a salvar a sua.

Fica aqui os parabéns a todos os Comissários e Comissárias de voo, de bordo, aeromoças e aeromoços. Que sejamos reconhecidos não só hoje, mas em todos os dias de nossas carreiras, de nossas vidas. Tenho um gigantesco orgulho de ser formado comissário e aguardo ansiosamente pelo dia em que me juntarei a vocês, para cruzar os céus do Brasil e do mundo.

E fica aqui uma citação do livro Três Céus, do meu amigo Enderson Rafael. Livro esse que me inspirou a ser comissário.

“Esses meninos e meninas treinaram a vida inteira para aquilo. Em cada copo de refrigerante que serviram, em cada sanduíche, estava escondida a verdadeira e primordial missão do comissário de voo: proteger a vida de seus colegas e dos passageiros”

Apertem os cintos e tenhamos todos um ótimo voo.

Anúncios

Um comentário sobre ““Garçom dos ares”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s